King Kong

Os tripulantes de um navio de pesquisa de petróleo desembarcam numa ilha desconhecida que está constantemente envolta em nevoeiro. Ali vão descobrir uma tribo que sacrifica jovens mulheres ao seu Deus, um macaco gorila gigante...

Esta versão do clássico King Kong de 1933, resulta num filme muito competente, com bons efeitos especiais.
Parece no entanto ser um filme com poucas aspirações. Homenagear e seguir a narrativa do primeiro filme, acrescentando-lhe cor, era já uma tarefa gigantesca.
Jessica Lange tem aqui um papel verdadeiramente icónico no papel da bela por quem o monstro se apaixona.
Está muito bem filmada a sequência que mostra gradualmente pormenores do primata gigante quando surge pela primeira vez.
As cenas do desembarque na praia contêm imagens de rara beleza.

Chrysalis | Um Futuro Próximo

A investigação de um polícia leva-o até uma clínica que possui uma máquina capaz de apagar e implantar memórias nos seres humanos...

Existem duas histórias que decorrem paralelamente: a do pólicia que perde a mulher durante uma operação policial, e a da médica que perde a filha num brutal acidente automóvel. Há depois o encontro improvável de ambas as histórias.
O filme tem uma realização virtuosa, com planos bem cuidados e atenção ao detalhe, dando-nos uma imagem metálica e estilizada de uma Paris no futuro.
Existem sequência de luta originais e bem coreografadas.

Chrysalis (2007) on IMDb

Butcher Boys

Depois de uma saída à noite, um grupo de amigos regressa a casa quando começam a ser perseguidos por dois jovens noutro automóvel. A perseguição leva-os até à degradada e inóspita zona industrial da cidade de San António, onde vão ser também perseguidos por um perigoso grupo de marginais...

Sempre em constante perseguição, sem momentos para respirar, com personagens sinistras e verdadeiramente perturbadoras, Butcher Boys é um filme invulgar, "fora da caixa", com momentos de verdadeiro horror e caos muito bem orquestrados.

Choke | Asfixia

Um predador/tarado sexual que trabalha num parque de diversões como ator figurante apaixona-se pela médica que assiste a sua mãe internada num lar de idosos...

Tenho alguma dificuldade em digerir dramas cómicos precisamente pela bipolaridade das tramas. Neste Choke existem alguns gags e piadas inteligentes, mas nada de hilariante; algumas frustrações e desilusões, mas nada de dramático. Estamos assim naquele monótono território do banho-maria.
No final nada resta de verdadeiramente memorável além de meia dúzia de cenas sexuais mais gráficas.

Cleaner | Sem Provas

Um polícia reformado tem um negócio de limpezas de cenários de crime. Depois de limpar a sala de uma casa onde ocorreu um assassinato, descobre no dia seguinte que afinal nem a dona da casa, nem a polícia, sabiam do trágico acontecimento…

Um thriler limpinho onde com alguma surpresa encontramos um muito bom trabalho de realização do realizador Renny Harlin.
Custa um bocadinho é ver Ed Harris [spoiler] no papel de durão maléfico e sensível (!) que (afinal) andava a comer a Eva Mendes.

Captivity | Cativeiro

Uma celebridade do mundo da moda é raptada e colocada numa cave, paredes meias com outro raptado…

Tem sido escasso e esparso o trabalho de Roland Joffe, realizador do oscarizado e auspicioso The Mission (1986). Talvez este Captivity explique porquê...
O filme parece ter tido a intenção de cavalgar no sucesso de outros filmes como Saw, recriando um ambiente lúgubre onde as personagens estão encarceradas e filmadas sem saberem o porquê. Mas onde em Saw tudo é imprevisível, neste é demasiado óbvio.
Os diálogos são fraquíssimos e os atores parecem todos ter sido segundas escolhas.

Chair, The

Uma jovem estudante de psicologia com problemas psicológicos muda-se para uma casa típica e muito apropriada para uma jovem aspirante a psicóloga com problemas psicológicos: nada mais nada menos que um pequeno e decrépito palecete ao estilo vitoriano.
Na casa, obviamente que começam a suceder-se diversos fenómenos do paranormal…

É louvável o esforço da jovem actriz protagonista do filme para conseguir catapultá-lo para algo mais que apenas o medíocre. Mas é um esforço inglório. O filme é fraco e a sua maior aspiração, conseguir que o espetador o grame até ao fim, é demasiado ambiciosa.

God told me to | Foi Deus Quem Ordenou

Um detetive da polícia de Nova Iorque investiga uma série de assassinatos em massa efectuados por pessoas aparentemente normais que depois não sentem quaisquer remorsos e justificam os seus actos alegando que Deus lhes teria dito para os cometerem...

A permissa inicial é interessante mas infelizmente o filme depois não corresponde. Os ingredientes para um bom thriler estavam lá mas Cohen não soubre tirar proveito do potencial da história e dos bons actores que teve à disposição. A cena do encontro do detetive com [spoiler] o suposte novo Jesus na terra é patética, com uma montagem péssima.
Existem depois algumas opções deliberadas de realização no mínimo  estranhas. Algumas cenas parecem ter sido captadas em ambiente real. Há pelo menos uma situação onde um dos actores/figurantes olha despropositadamente na camera; numa outra cena foi utilizado um cenário da série Space 1999.
Uma trapalhada.

Kill Command

Um grupo de soldados mercenários é colocado numa ilha com a missão de destruir um grupo de máquinas robóticas assassinas dotadas de avançada inteligência artificial...

Kill Command é um filme surpreendente, com alguns conceitos originais, boas sequências de combate e uma montagem muito dinâmica e eficaz. O realismo do filme também está bem conseguido com recurso a muito competentes efeitos especiais e sonoros.
Os disparos das armas parecem ser reais e destacam-se vários planos estilizados dos atiradores em ação.
Com um ou dois actores conhecidos, uns ligeiros retoques só para dissipar um certo trago a Asylum e Sci-fi chanel, quer na história quer nos efeitos especiais, e tinhamos à vontade filme para brilhar nas salas de cinema.
É um daqueles filmes que se fica com vontade de um dia rever.

Contracted: phase II

Depois de ter relações sexuais, um jovem rapaz é infectado com uma doença que provoca necróses galopantes no seu corpo. Vai tentar descobrir aquele que julga ser o responsável pela propagação do virus para tentar obter uma cura mas pelo caminho vai infectando outras pessoas...

A história deste segundo "Contracted" começa exatamente onde o primeiro acaba embora todo o filme, talvez por ter um realizador diferente, esteja também filmado num registo diferente.
Se no primeiro acompanhávamos de forma quase intima a evolução da doença junto da jovem infectada, neste já não há tempo para isso. Já são vários os infectados!
É um filme mais gráfico e que fica assim muito mais próximo daquilo que se tornou banal nos filmes e séries que abundam sobre a temática zombie.
No final há uma interessante revelação que em certa medida abre o apetite para um terceiro filme.

Contracted

Uma jovem rapariga lésbica vai a uma festa sem a namorada que fica a trabalhar. Frustrada e incentivada pela anfitriã, bebe demais acabando por ter uma relação sexual com um desconhecido. No dia seguinte começa a notar algumas alterações no seu corpo…

Somos voyeurs neste filme onde muitas das cenas são passadas na intimidade da protagonista enquanto vai descobrindo a sua degradação física. Existe uma forte relação empática com o espectador que a acompanha nesse processo degenerativo.
Este filme podia ser utilizado como uma campanha de prevenção uma vez que o fantasma das doenças sexualmente transmissíveis está bem presente. Se houve quem não conseguisse ir ao banho na praia depois de ver o “Tubarão” de Spielberg, este “Contracted” fará muita gente pensar duas vezes antes de praticar sexo ocasional sem preservativo.
O trabalho de caracterização está excelente.

Demonic

A policia instala-se de armas e bagagens junto a uma casa abandonada onde ocorreu a morte de um grupo de jovens que tinham decidido ir ali investigar fenómenos paranormais...

Típico filme onde os personagens se filmam em modo reportagem, que só não é mais típico porque para além das imagens que gradualmente a policia vai conseguindo recuperar, paralelamente a história vais sendo contada por um dos sobreviventes.
Com um início bastante monótono e cliché, a partir de certa altura o filme atinge um bom ritmo narrativo, conseguindo provocar bons momentos de medo, culminando com um twist sem dúvida inesperado.
Tem um desfecho inconclusivo, a pedir uma sequela.

I Walked With a Zombie | Zombie

Uma enfermeira é contratada para ir até uma ilha tropical cuidar da esposa de um senhor colonial. Durante a viagem apaixona-se pelo seu patrão cuja fantasmagórica mulher se encontra num estado catatónico...

O cartaz e o título parecem instigar muito mais medo do que na realidade acontece neste filme.
Apesar de estar classificado no IMDB como "horror" é um filme muito colado aos padrões e estilo narrativo da sua época, e muito mais um drama passional que um filme de terror.

Crucifixion, The | Crucificação, A

Uma jovem jornalista convence o seu sexagenário chefe do jornal onde trabalha, a ir até à Roménia para andar de um lado para o outro num Citroen C3 a investigar uma prática de exorcismo que acabou mal…

Este filme causou algum buzz na internet principalmente por ser de Xavier Gens, o realizador do filme choque Frontiers. Mas a ansiedade deu lugar à desilusão uma vez Gens está (quase) irreconhecível neste filme. Reconhece-se a forma como o realizador sabe aproveitar ao máximo os cenários reais e interpretar a sua linguagem, conseguindo criar ambientes perturbadores. Isto é particularmente eficaz na forma como o medo é criado neste filme.

A temática da crucificação e o seu simbolismo doloroso e místico, um dos pontos de contacto com os factos reais em que o filme se inspira, acaba por ser quase irrelevante. Comparado com o perturbador Frontiers, The Crucifixion está longe de ser um filme marcante. É apenas mais um irrelevante filme de exorcismo com muito pouco que o distinga de outros também competentes mas irrelevantes filmes que têm surgido nos últimos anos.

A atriz escolhida para interpretar a jornalista não tem carisma, não tem um traço ou rasgo de originalidade. Apenas uma jovem carinha bonita mas com muito pouco potencial que nada acrescenta ao filme, resultando num catastrófico erro de casting. De resto, no filme foi utilizada "prata da casa" (actores e actrizes romenas) bastante competentes.

Incredible 2-Headed Transplant, The

Um cientista juntamente com outro cientista trabalha obcecadamente na possibilidade de implantar uma segunda cabeça num ser humano. O seu laboratório fica paredes meias com a casa onde vive com a sua deliciosa mulher. Os jardins da casa são tratados por um jardineiro com mau feitio e o seu filho débil mental que tem uma fixação sem malícia pela mulher do cientista.

Este filme ter sido (incrivelmente) produzido em (apenas) seis dias, já explica muita coisa. Que tenha sido produzido no mesmo ano em que nasci, talvez igualmente explique outras...
Por incrivel que pareça, através de um jogo de camera e montagem ardiloso, o efeito especial das duas cabeças numa só pessoa é o unico feito técnico-artistico do filme que merece ser realçado.